Notícias
Você está na seção de Notícias da Central de Mídia. Aqui você encontra notícias e reportagens sobre a antidopagem no esporte e sobre as ações da ABCD

Da Série Grandes Enganos sobre a Luta Contra a Dopagem no Esporte I

Marco Aurelio Klein – Secretário Nacional para a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem - ABCD                                                                    
24 Janeiro 2016

 

Vi a crônica do Roberto Salim, que reproduzo ali embaixo, publicada no blog do amigo Antero Greco: leia para conferir os graves equívocos no texto:

1. Diuréticos podem disfarçar drogas "mais pesadas" e servem para perder peso, portanto, normal no boxe: claro que não. Os diuréticos estão na Lista de Substâncias e Métodos Proibidos da Agência Mundial Antidopagem, não importa o uso (disfarçam até mesmo substâncias "leves", mas que estão na lista). Além disso, enquanto um atleta toma o diurético para perder peso e vai dormir o outro lutador que não tomou e precisa perder peso faz horas de "cordas" e outros exercícios estes sim pesados; Diuréticos são sim considerados dopagem!;

2. A atleta pobre citada pelo articulista está no Programa Bolsa Pódio do governo federal, que tem bolsas de até R$ 15 mil reais, além de apoio para viagens e equipe de suporte técnico;

3. Se estivéssemos nos Jogos e a atleta tivesse ganhado uma medalha para o Brasil esta medalha seria tomada em menos de 72 horas. Será isto o que queremos?

4. O trabalho na Luta Contra a Dopagem no Esporte, realizado pela ABCD é sim para proteger as competições da dopagem. É política do Estado brasileiro. Dopagem não é uma questão apenas sobre drogas, mas sobre ética. Dopagem por qualquer método, inclusive o uso de diurético, é uma fraude. Precisamos garantir que sejam legítimas todas as medalhas que pudermos ganhar nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016;

5. A ABCD está operacional desde 2014 e com a entrada em funcionamento das novas instalações do Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (um dos únicos 34 no mundo com credenciamento da Agência Mundial Antidopagem) a partir de meados de 2015, acelerou o programa de controles, sem nenhuma diferenciação de nenhuma natureza entre os atletas. Para nós não há atletas ricos ou pobres, mas atletas a serem protegidos dos malefícios de toda ordem que acompanham a dopagem;

6. Fica aqui convite para o Roberto Salim (e você que acompanha o trabalho da ABCD) visitar nosso site (www.abcd.gov.br) e no dia em que estiver em Brasília nos visitar na ABCD, Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem.

 

                                                                                                                                       * * *

Hipocrisia do antidoping

ANTERO GRECO                                                                    

17 Janeiro 2016 | 13:54

Crônica do jornalista Roberto Salim.

 

Uma menina pobre, esforçada, entra no mundo do boxe.

Logo ela se destaca e vai para a seleção brasileira, ganha medalha de bronze no Mundial do ano passado, na Coréia do Sul.

Ganha também foto enorme no Centro de Treinamento da seleção olímpica, no ginásio de Santo Amaro.

Clélia Costa é um pequeno fenômeno de esporte maltratado.

O boxe é de longe a modalidade que representa o povo lutador. Gente de origem humilde, guerreira, sonhadora.

Nós não vamos aqui defender o uso de doping.

Clélia era a grande esperança olímpica do Brasil, no esporte das luvas. Pesa 51 quilos. E todo esportista sabe o quanto é difícil dar o peso antes de qualquer combate.

Ela foi apanhada no exame antidoping: em sua urina apareceu furosemida, diurético que tanto serve para ajudar a baixar o peso, como pode ser usada para mascarar a utilização de drogas mais pesadas.

A segunda hipótese não merece consideração.

Porque atleta do boxe é pobre e não tem dinheiro para comprar drogas mais potentes. E porque o médico do time nacional é um profissional atento.

Mas voltemos a Clélia: foi punida com suspensão de 6 meses. Já estaria fora da Olimpíada do Rio. Acontece que agora a suspensão foi aumentada para dois anos.

O que estão querendo provar com isso?

Que o rigor no esporte brasileiro é grande. Que aqui não há doping.

Ora minha gente isso é uma piada. Das grandes.

Quando o atleta é de ponta e tem patrocínio, leva advertência por aqui.

Quando é do boxe ou do atletismo, a justiça vem com todas as letras, com todos os parágrafos.

É muita hipocrisia.

A agência ABCD (Autoridade Brasileira de Controle do Doping) entra em funcionamento no País com os mesmos maneirismos que sufocam o esporte nacional.

Aos poderosos tudo, aos pobres o rigor da lei.

 

Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem – ABCD
Setor de Indústrias Gráficas - SIG, Quadra 04, lote 83
Bloco C, 2º andar, sala 201
Condomínio Capital Financial Center
70610-440 - Brasília DF
Tel: +55 61 3429 6919
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

© 2014 Ministério do Esporte. Todos os direitos reservados.