Notícias
Você está na seção de Notícias da Central de Mídia. Aqui você encontra notícias e reportagens sobre a antidopagem no esporte e sobre as ações da ABCD

Brasil está preparado para realizar controle de dopagem no Rio 2016

Quem passa na frente do campus da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) nem imagina que é ali, distante das estruturas esportivas dos Parque Olímpicos da Barra da Tijuca e de Deodoro, que está em pleno funcionamento um dos maiores legados do Rio 2016. Com alta segurança, salas frias, profissionais altamente qualificados e parque tecnológico de primeira, o Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD) funciona como principal instrumento de combate à dopagem no esporte nacional.

Nesta sexta-feira (29.04), as instalações receberam a visita de correspondentes internacionais de jornais de vários países. Na oportunidade, o ministro do Esporte substituto e secretário nacional da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), Marco Aurelio Klein, falou sobre o papel da instalação para coibir fraude em resultados esportivos.

"Falo com muito orgulho que temos um laboratório de 'cinema'. Para nós do Ministério do Esporte, o laboratório é um dos mais palpáveis legados dos Jogos, porque é um legado de estrutura, de equipamentos e de qualificação profissional em todos os níveis", explicou.

Combater a dopagem no esporte é uma ação de política de Estado do governo brasileiro. Klein ressaltou que o laboratório é uma estrutura preparada para atender os desafios dos Jogos. "Estar aqui é uma consolidação de um trabalho que começou em 2009, com o objetivo de colocar o laboratório em condições de receber os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro. E de, principalmente, estar preparado para atender o enorme esforço da luta contra a dopagem no Brasil", disse.

As novas instalações do LBCD receberam investimentos de R$ 151,3 milhões, sendo R$ 112,7 milhões do Ministério do Esporte e R$ 38,5 milhões do Ministério da Educação (MEC), somando obras e projetos. Para a compra de novos equipamentos, materiais, insumos, mobiliário e operação, foram destinados R$ 74,6 milhões (R$ 60 milhões do Ministério do Esporte e R$ 14,6 milhões do MEC).

Segundo Marco Aurelio Klein, tratar o combate de dopagem no esporte como uma política de Estado é possível apenas com uma autoridade de controle forte, estabelecida, apoiada pelo governo federal e bem aceita pela comunidade esportiva.

O professor Francisco Radler, coordenador do LBCD, frisou que o laboratório está com todas as condições necessárias para atender as necessidades do controle dos Jogos Rio 2016. "Temos uma estrutura de laboratório com instrumentos de última geração. Temos o melhor da tecnologia de detecção de substâncias dopantes, e assim podemos afirmar que não existe outro lugar que tenha a quantidade e a qualidade de equipamentos que tem este laboratório", acentuou.

Além de atender o Brasil, que tem dimensões continentais, a estrutura é importante para os países vizinhos que não contam com condição igual para coibir a dopagem no esporte. "Existe uma expectativa que este laboratório tenha um impacto grande nesta região do continente. Países vizinhos como Uruguai, Argentina, Paraguai e Chile, por exemplo, não têm um laboratório acreditado. A estrutura do LBCD pode ser utilizada por eles e ainda compartilhar o trabalho que está sendo feito pela ABCD com os países-irmãos vizinhos", lembrou Klein.

Contar com um laboratório dentro do país beneficia tanto as autoridades de controle quanto aos atletas nacionais. "Ter no país um laboratório garante ao atleta que tenha um resultado adverso o direito de pedir a amostra B para ser apresentada e estar presente no laboratório e ser recebido", explicou o ministro.

Ele falou também sobre a dificuldade enfrentada pelo país no período em que ficou sem a instalação. "Os meus colegas das outras organizações nacionais antidopagem com quem nos relacionamos e que não têm um laboratório em seu próprio país têm uma vida muito difícil. No período em que ficamos na transição para o novo laboratório precisávamos enviar as nossas amostras para fora. Durante um tempo usando os laboratórios de Portugal e Barcelona, porque temos acordo de cooperação", destacou.

Osquel Barroso, Thierry Boghosian e Peter Van Eenoo, representantes da Agência Mundial Antidopagem (Wada, na sigla em inglês), fizeram durante esta semana a última auditoria dos procedimentos para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos no laboratório. Desde a reacreditação, a Wada promove regularmente auditorias de acompanhamento dos trabalhos do LBCD.

Confira alguns pontos tratados por Klein:

Dopagem

Para nós é uma questão ética. Não enxergamos a dopagem como um problema apenas relacionado a drogas. Vemos como uma questão ética, fraude ao resultado esportivo. Aquele que se dopa rouba o sonho do atleta que se qualifica, treina e se prepara, e que vai para a competição para vencer apenas com seus próprios méritos.

Reta final

Hoje compartilho com vocês uma grande alegria de estar aqui na reta final de preparação para o Rio 2016 com muita confiança e segurança nos dois papéis: como parte do governo federal, que acompanhou desde o início o processo, e como responsável pela ABCD. Sabemos que é aqui que as amostras chegam e os resultados são identificados com seriedade.

Estratégia da ABCD

O plano estratégico da ABCD é baseado em alguns pontos. O primeiro é a informação; nós precisamos coletar todo tipo de informação possível. O segundo é a educação; tendo a informação adequada poderemos construir ações de educação em diversos níveis. O terceiro é a prevenção; o ápice do nosso processo é conseguir a prevenção. E o quarto é a inteligência; é um processo de análise sobre tudo o que nós fizemos, que indicará qual a ação para que possamos trabalhar qualidade em vez de quantidade, dando muito foco em como vamos trabalhar e quem vamos testar. Esse trabalho não seria possível se nós não tivéssemos um laboratório no Brasil.

ABCD nos Jogos Rio 2016

A ABCD será responsável por coletar os exames de controle de dopagem de todos os atletas que farão a aclimatação para os Jogos e dos atletas que ficarão fora da Vila Olímpica do Rio de Janeiro, durante o período das competições.

Qualidade técnica

Teremos aqui a Champions League dos profissionais de laboratórios do mundo. Teremos cerca de 100 especialistas internacionais que outros laboratórios credenciados pela Wada vão ceder durante os Jogos, de modo que todo o conhecimento mundial estará reunido aqui, colaborando com o trabalho do LBCD e garantindo que a gente possa atender as expectativa.

 

Breno Barros, do Rio de Janeiro - Ministério do Esporte
Fotos:Francisco Medeiros/ME

Para ver a matéria no portal Brasil 2016, clique aqui

 

Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem – ABCD
Setor de Indústrias Gráficas - SIG, Quadra 04, lote 83
Bloco C, 2º andar, sala 201
Condomínio Capital Financial Center
70610-440 - Brasília DF
Tel: +55 61 3429 6919
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

© 2014 Ministério do Esporte. Todos os direitos reservados.